Páginas

segunda-feira, 21 de março de 2016

Próximo Domingo, Dia Mundial do Teatro, o D. Maria II propõe um conjunto de espetáculos de entrada livre.




No âmbito das comemorações do Dia Mundial do Teatro, o D. Maria II propõe um conjunto de espetáculos de entrada livre.

11h /
A Visita Escocesa

A Visita escocesa é uma visita igual às outras todas (incluindo as enfadonhas). A Escócia foi a inspiração para lhe dar o tom. Uma visita padrão, mas de padrão escocês. Venha conhecer o Teatro Nacional de kilt!

16h30 /
Judite

O Velho Testamento está repleto de histórias surpreendentes, em que os mais fracos descobrem forças
para vencer os poderosos. Mas poucas histórias são tão bizarras como a de Judite, uma mulher que entra no acampamento de um poderoso exército para degolar o seu general, Holofernes, e assim poupar o seu povo da destruição que o ameaçava. Na versão de Rui Catalão, a história concentra-se na estratégia de sedução armada por Judite para derrubar o inimigo.

19h / Três dedos abaixo do joelho
A ironia por trás de Três dedos abaixo do joelho é que transforma os censores em dramaturgos, usando os seus relatórios como o texto de um espectáculo onde os actores formam uma máquina de censurar poética e absurda. De alguma forma, aqueles que oprimiram a liberdade artística e política do teatro deixaram-nos uma herança que nos pode ajudar a redescobrir o perigo e a importância do teatro na sociedade.

* Entrada livre mediante o levantamento de bilhetes, na bilheteira do TNDM II, a partir das 10h30. Limite de 2 bilhetes por pessoa, sujeito à lotação disponível. Para este dia, não se aceitam reservas de lugares.

DIA MUNDIAL DA POESIA



Viva a Poesia!


Qual é o poema mais antigo do mundo? Há dois que reclamam esse título.

No Dia Mundial da Poesia,  o Expresso foi à procura do poema mais antigo. Há dois que reinvindicam o título: um vem do Antigo Egito, outro da Mesopotâmia. Qualquer deles tem mais de dois mil anos.

          
                                                                   Fonte: Expresso

sexta-feira, 18 de março de 2016

19 de março - Entrada Livre no CCB - DIA MUNDIAL DA POESIA


Link: http://aviagemdosargonautas.net/2016/03/17/no-centro-cultural-de-belem-dia-19-de-marco-2016-as-1400-dia-mundial-da-poesia/

Museu de Arte Antiga com entrada livre até abril





Para compensar o facto das obras de requalificação obrigarem ao encerramento do Piso 3, a entrada nas restantes áreas do Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa, será gratuita até ao dia 05 de Abril.

O Museu informa que as salas de Pintura e Escultura Portuguesas, Mobiliário Português, Ourivesaria e Joalharia, Cerâmica e Arte da Expansão estarão encerrados a partir de 15 de março, reabrindo ao público no dia 5 de abril.
 
Contudo, o Museu manterá abertos, no Piso 1, a Galeria de Pintura Europeia e as salas de Artes Decorativas Francesas, assim como todas as exposições temporárias patentes e a entrada nestas exposições será gratuita. 
 
A célebre pintura "Painéis de São Vicente", de Nuno Gonçalves, poderá ser vista na Sala 55, do Piso 1. De igual modo, se manterá em exposição a pintura "A Adoração dos Magos", de Domingos Sequeira, no âmbito da campanha de pública que o MNAA está a promover para adquirir aquela obra. Também a loja e o restaurante irão permanecer abertos.
 
A única exposição que continua a exigir a aquisição de bilhete é a mostra "Coleção Masaveu. Grandes Mestres da Pintura Espanhola: Greco, Zurbarán, Goya, Sorolla".

Fonte: Boas Notícias

terça-feira, 15 de março de 2016

Assista à dramatização " A Nossa Escola: Alicerce de Futuro"


  
Quadros do Passado e do Presente

Elenco 12º PQ 

Dia 16 de março de 2016, às 13h.20

 Biblioteca Escolar







Amanhã, na nossa BE ...

Inauguração da exposição de "Eça De Queirós, Marcos Biográficos e Literários".


 Oferta do Instituto Camões

Amanhã, dia 16 de março, das 13h.30 às 14h.30, na nossa BE






Morreu Nicolau Breyner. “Não tenho medo da morte, tenho pena de não viver”

 Entrou-nos pela televisão adentro, levou-nos ao cinema, convidou-nos ao teatro, fez-nos rir, provocou-nos com humor, era parte da família portuguesa. Ator, realizador e produtor, tinha 75 ano.

Era um dos grandes nomes da ficção portuguesa, do entretenimento, da interpretação, do humor. Nicolau Breyner, 75 anos, morreu esta segunda-feira. A SIC Notícias, que avançou com a notícia (entretanto confirmada pelo Expresso), refere que faleceu vítima de ataque cardíaco.
Nascido a 30 de julho de 1940 em Serpa, João Nicolau de Melo Breyner Moreira Lopes fez teatro e cinema, mas foi provavelmente pela televisão que mais portugueses o conheceram. Protagonizou “Nico d'Obra”, “Sr. Feliz e Sr. Contente”, “Nicolau no País das Maravilhas”, “Vila Faia”. Nos últimos anos, entrou nas novelas como “Flor do Mar”, “O Beijo do Escorpião” e “Jardins Proibidos”. Neste momento, integrava o elenco da próxima ficção da TVI, “A Impostora”. (...).

Fonte: Expresso

Alerta! Sono insuficiente e desregrado aumenta risco de doença cardiovascular



A Associação Portuguesa de Cronobiologia e Medicina do Sono (APCMS) e a Sociedade Portuguesa de Hipertensão alertaram esta terça-feira que um “sono insuficiente e desregrado” aumenta o risco de desenvolver hipertensão arterial e de morrer por doença cardiovascular. 

Na semana em que se assinala o Dia Mundial do Sono (18 março), as duas organizações alertam a população para a importância do sono e para as consequências nefastas da sua privação nos sistemas metabólico e cardiovascular.
Em declarações à agência Lusa, o presidente da APCMS e investigador do Centro Cardiovascular da Universidade de Lisboa, Miguel Meira e Cruz, explicou que "o sono interfere com a função cardiovascular”.
“O sono interfere nestes mecanismos e ajuda a regular a função cardiovascular, mas se não o temos de forma adequada também apoia o processo de desestabilização destes mecanismo e o aumento da prevalência da hipertensão e do risco cardiovascular global”, advertiu Meira e Cruz.
Esta posição é sustentada pelo presidente da Sociedade Portuguesa de Hipertensão, José Mesquita Bastos, afirmando que “a ausência de um sono com qualidade é um risco cardiovascular acrescido e associa-se a um pior prognóstico da hipertensão arterial, com consequente risco acrescido de enfarte e acidente vascular cerebral”.
As organizações alertam que os jovens constituem uma população de risco.
Segundo um estudo divulgado pela APCMS, apenas cerca de 20% dos adolescentes portugueses se aproximam do sono recomendado para o escalão etário (nove a dez horas) e que 12,5% dormem menos de sete horas durante a semana.
Os mais de 350 adolescentes envolvidos no estudos, 91,1% dos quais obesos, tinham “um sono claramente reduzido”, um “mau hábito” que abrange todos os escalões etários, “com repercussões que, embora sejam distintas, na dependência do período da vida que afetam, são sempre negativas”, frisou Meira Cruz.

Fonte: Agência Lusa

sábado, 12 de março de 2016

Deleitem-se..." Devemos sempre lembrar que ler é esperar por melhor."



AS BIBLIOTECAS


As bibliotecas deviam ser declaradas da família dos aeroportos, porque são lugares de partir e de chegar.
Os livros são parentes diretos dos aviões, dos tapetes voadores ou dos pássaros. Os livros são da família das nuvens e, como elas, sabem tornar-se invisíveis enquanto pairam, como se entrassem dentro do próprio ar, a ver o que existe para depois do que não se vê.
O leitor entra com o livro para o depois do que não se vê. O leitor muda para o outro lado do mundo ou para outro mundo, do avesso da realidade até ao avesso do tempo. Fora de tudo, fora da biblioteca. As bibliotecas não se importam que os leitores se sintam fora das bibliotecas.
Os livros são também toupeira ou minhoca, troncos caídos, maduros de uma longevidade inteira, os livros escutam e falam ininterruptamente. São estações do ano, dos anos todos, desde o princípio do mundo e já do fim do mundo. Os livros esticam e tapam furos na cabeça. Eles sabem chover e fazer escuro, casam filhos e coram, choram, imaginam que mais tarde voltam ao início, a serem como crianças. Os livros têm crianças ao dependuro e giram com carrosséis para as ouvir rir e para as fazer brincar.
Os livros têm olhos para todos os lados e bisbilhotam o cima e o baixo, a esquerda e a direita de cada coisa ou coisa nenhuma. Nem pestanejam de tanta curiosidade. Podemos pensar que abrir e fechar um livro é obrigá-lo a pestanejar, mas dentro de um livro nunca se faz escuro. Os livros querem sempre ver e estão sempre a contar.
As bibliotecas só aparentemente são casas sossegadas. O sossego das bibliotecas é a ingenuidade dos ignorantes e dos incautos. Porque elas são como festas ou batalhas contínuas e soam canções ou trombetas a cada instante. E há invariavelmente quem discuta com fervor o futuro, quem exija o futuro e seja destemido, merecedor da nossa confiança e da nossa fé.
Adianta pouco manter os livros de capas fechadas. Eles têm memória absoluta. Vão saber esperar até que alguém os abra. Até que alguém se encoraje, esfaime, amadureça, reclame o direito de seguir maior viagem. E vão oferecer tudo, uma e outra vez, generosos e abundantes. Os livros oferecem o que são, o que sabem, uma e outra vez, sem se esgotarem, sem se aborrecerem de encontrar infinitamente pessoas novas. Os livros gostam de pessoas que nunca pegaram neles, porque têm surpresas para elas e divertem-se com isso. Os livros divertem-se muito.
As pessoas que se tornam leitoras ficam logo mais espertas, até andam três centímetros mais altas, que é efeito de um orgulho saudável de estarem a fazer a coisa certa. Ler livros é uma coisa muito certa. As pessoas percebem isso imediatamente. E os livros não têm vertigens. Eles gostam de pessoas baixas e gostam de pessoas que ficam mais altas.
Depois da leitura de muitos livros pode ficar-se com uma inteligência admirável e a cabeça acende como se tivesse uma lâmpada dentro. É muito engraçado. Às vezes, os leitores são tão obstinados com a leitura que nem se lembram que usar candeeiros de verdade. Tentam ler só com a luz própria dos olhos, colocam o livro perto do nariz como se o estivessem a cheirar. Os leitores mesmo inteligentes aprendem a ler tudo, até aquilo que não é um livro. Leem claramente o humor dos outros, a ansiedade, conseguem ler as tempestades e o silêncio, mesmo que seja um silêncio muito baixinho. Alguns leitores, um dia, podem aprender a escrever. Aprendem a escrever livros. São como pessoas com palavras por fruto, como as árvores que dão maçãs ou laranjas. Pessoas que dão palavras.
Já vi gente a sair de dentro dos livros. Gente atarefada até com mudar o mundo. Saem das histórias e vestem-se à pressa com roupas diversas e vão porta fora a explicar descobertas importantes. Muita gente que vive dentro dos livros tem assuntos importantes para tratar. Precisamos de estar sempre atentos. Às vezes, compete-nos dar apoio. Alguns livros obrigam--nos a pôr mãos ao trabalho. Mas sem medo. O trabalho que temos pela escola dos livros é normalmente um modo de ficarmos felizes.
  Todos os livros são infinitos. Começam no texto e estendem-se pela imaginação. Por isso é que os textos são mais do que gigantescos, são absurdos de um tamanho que nem dá para calcular. Mesmo os contos, de pequenos não têm nada. Se os soubermos entender, crescemos também, até nos tornarmos monumentais pessoas. Edifícios humanos de profundo esplendor.

             Devemos sempre lembrar que ler é esperar por melhor.





In Contos de cães e maus lobos, 2015, Valter Hugo Mãe

sexta-feira, 11 de março de 2016

A leitura é essencial...



Novidades...


Num livro de 800 páginas, Teresa Martins Marques  apresenta-nos novidades sobre o poeta e ficcionista, incluindo numerosos inéditos.

Provérbio da semana...

"Vale mais um pássaro na mão do que dois a voar"


                                                                              Sugestão da aluna  do 7º 1ª, Gislene Mendes

terça-feira, 8 de março de 2016

Dia 16 de março de 2016, na nossa Biblioteca Escolar


O que precisa saber sobre o Dia Internacional da Mulher







Cronologia
-1909 - Dia da mulher nos Estados Unidos celebrado pelo Partido Socialista Americano no último domingo de fevereiro.
 -1910 Conferência Internacional Socialista da Mulher decide criar o Dia Internacional da Mulher, celebrado no dia 19 de março de 1911.
 – 1913 -1914 Dia internacional da mulher russa contra a guerra, celebrado no último domingo de fevereiro. Muitas mulheres reuniram-se na Europa para apoiar o dia oito de março.
 – 1917 Nova greve das mulheres russas no dia oito de março, um protesto para exigir “paz e pão” – O dia da mulher é celebrado em todos os países socialistas depois de 1945- 1975 : As Nações Unidas decidem instaurar o dia Internacional da Mulher no dia oito de março.






Dados das Nações Unidas – Mulheres deputadas – 22%. Duplicou entre 1995 e 2015. – 50% das mulheres em idade de trabalho estão, de facto, a trabalhar. Para o homem é 75%. – Em todo o mundo, as mulheres ganham em média menos 24% do que os homens. – 25 mulheres são CEO entre as 500 empresas listadas pela revista Forbes em 2014, o que representa 5% de todos os CEO da lista. Em 1998 havia apenas uma mulher. – Quase todos dos países desenvolvidos conseguiram a paridade de género nas escolas primárias. – A alfabetização subiu dos 76% em 1990 para os 85% em 2013, mas mesmo assim, as mulheres representam 60 % dos iletrados. – Presença das mulheres nos media: 17% em 1995 – 24% em 2010.

(...)  para saber mais... 


Fontes: ONU (http://womenwatch.unwomen.org/international-womens-day-history), CNRS (https://lejournal.cnrs.fr/articles/journee-des-femmes-la-veritable-histoire-du-8-mars).

quinta-feira, 3 de março de 2016

Há um tempo que fica, certamente, para além dos olhos...













No dia 26 de janeiro de 2015, André Fernandes, autor do livro “Tia Guida”, marcou indelevelmente a biblioteca da nossa escola.
As suas palavras, plenas de autenticidade, prenderam a atenção de todos os que o escutaram, transformando aquele momento marcante numa invulgar lição de amor.
Ao falar de “cancro”, tema central do seu livro, “Tia Guida”, o jovem escritor narrou, serenamente, a luta da família no combate à doença, que lhe levou prematuramente a sua tia Margarida, por quem tinha um afeto incondicional.
Ao transmitir a sua dolorosa experiência, André valorizou a importância da dedicação aos outros, num mundo em que os bens materiais fazem com que os homens se esqueçam do maior alimento da vida, ou seja, o amor absoluto e abnegado, que os eleva e, simultaneamente, lhes confere mais beleza ao coração, ao ponto de lhes prolongar a própria vida.

No final da apresentação, André Fernandes e o seu tio responderam a um rol de questões, colocadas por uma plateia, cuja postura exemplar foi reveladora do excecional interesse e da grande emoção, suscitados pela sua inesquecível presença.














Próvérbio da semana...

"Vale mais só que mal acompanhado"


                                                                              Sugestão da aluna  do 7º 1ª, Aníbal Noronha