Páginas

quinta-feira, 21 de março de 2019

Poesia

Dia Mundial da Poesia


O Dia Mundial da Poesia celebra-se todos os anos a 21 de março. A data foi criada na 30.ª Conferência Geral da UNESCO, a 16 de novembro de 1999. O propósito deste dia é o de promover a leitura, a escrita, a publicação e o ensino da poesia em todo o mundo.
O Dia Mundial da Poesia celebra também a diversidade do diálogo, a livre expressão de ideias através do uso da palavra, e ainda a criatividade e a inovação. A data convida, sem dúvida, à reflexão sobre o poder da linguagem e do desenvolvimento das habilidades criativas de cada pessoa. Neste dia realizam-se várias atividades em Portugal e um pouco por todo o mundo, privilegiando-se as escolas, as bibliotecas e os espaços culturais.

Haverá melhor definição de poeta?





                                                              para além dos olhos...

Para que serve um poema?

Será que a poesia pode iluminar o mundo?




Link: http://blogue.rbe.mec.pt/navegacoes-de-sophia-de-mello-breyner-1612878

Cristina Branco declama «Para atravessar contigo o deserto do mundo», de Sophia de Mello Breyner





para além dos olhos...

Dia Mundial da Poesia dedicado a Sophia de Mello Breyner Andresen


POESIA

Dia Mundial da Poesia
23 MAR 15H  ÀS 19H CENTRO DE CONGRESSOS E REUNIÕES






Este ano, assinalando o centenário do nascimento de Sophia de Mello Breyner Andresen, os mais variados espaços do CCB vão ser uma vez mais invadidos por um ambiente de festa com muita cor e poesia. Neste dia terá lugar a Maratona de Leitura, na qual diferentes individualidades vão ler poemas de Sophia. Destaque ainda para a exibição da curta-metragem Sophia de Mello Breyner Andresen (1969), de João César Monteiro, e do documentário O nome das coisas (2007), de Pedro Clérigo. O jornalista e investigador António Valdemar dará uma palestra intitulada Sophia, entre dois mares, e realizar-se-ão dois painéis de debate em torno da obra da poeta, numa parceria com Maria Andresen e o Centro Nacional de Cultura.

Fonte: "cultura de Borla"

No Dia Mundial da Poesia, deixem-se levar pela beleza das palavras.



Soltem as palavras belas...





Da mais alta janela da minha casa
Com um lenço branco digo adeus
Aos meus versos que partem para a humanidade

E não estou alegre nem triste.
Esse é o destino dos versos.
Escrevi-os e devo mostrá-los a todos
Porque não posso fazer o contrário
Como a flor não pode esconder a cor,
Nem o rio esconder que corre,
Nem a árvore esconder que dá fruto.

Ei-los que vão já longe como que na diligência
E eu sem querer sinto pena
Como uma dor no corpo.

Quem sabe quem os lerá?
Quem sabe a que mãos irão?

Flor, colheu-me o meu destino para os olhos.
Árvore, arrancaram-me os frutos para as bocas.
Rio, o destino da minha água era não ficar em mim.
Submeto-me e sinto-me quase alegre,
Quase alegre como quem se cansa de estar triste.

Ide, ide, de mim!
Passa a árvore e fica dispersa pela Natureza.
Murcha a flor e o seu pó dura sempre.
Corre o rio e entra no mar e a sua água é sempre a que foi sua.

Passo e fico, como o Universo.
“O Guardador de Rebanhos”. In Poemas de Alberto Caeiro. Fernando Pessoa


para além dos olhos...

segunda-feira, 18 de março de 2019

Arquivo Nacional da Torre do Tombo


18 de março de 1911: 

É constituído o Arquivo Nacional da Torre do Tombo, a partir do Arquivo Real, com origem em 1378



O Arquivo Nacional, antes Arquivo Geral do Reino, remonta às origens do Estado português. Nos finais do século XIII, Lisboa passou a ser a principal cidade do reino e nela se começou a preparar um depósito para documentos, situado numa das torres do Castelo de S. Jorge. Esta torre conservaria os documentos régios até ao terramoto de 1755. Os arquivos nacionais ocuparam posteriormente vários espaços, como o Mosteiro de S. Bento. Ao longo do tempo, a conservação dos documentos foi prejudicada por um conjunto de circunstâncias: não apenas o terramoto, mas também as frequentes mudanças de local, incêndios, a transferência da corte para o Brasil, o desvio de materiais aquando do domínio filipino e das invasões francesas, etc. De qualquer forma, os documentos pertencentes ao Arquivo Nacional da Torre do Tombo formam um acervo excecional e indispensável para a memória histórica do país. Pela sua magnitude, esse acervo de há muito que encontra dificuldades em instalar-se convenientemente. O Decreto de 18 de Março de 1911 reorganizou os serviços das bibliotecas e dos arquivos dependentes da Direção Geral da Instrução Secundária, Superior e Especial, denominou, definitivamente, o Arquivo da Torre do Tombo por Arquivo Nacional, acentuou a função de conservação e valorização dos manuscritos destinados ao estudo da História, bem como a função de promover a entrada de cópias de manuscritos portugueses, existentes no estrangeiro, e estabeleceu, pela primeira vez, um horário de abertura ao público. Em dezembro de 1990 foi inaugurado na Cidade Universitária um novo edifício para depósito e consulta dos documentos. Ocupando uma área de 54 900 m2 e contando com cerca de 100 km de prateleiras, este moderno edifício possui três áreas principais: uma para arquivo e investigação, uma para a realização de atividades culturais e a última para os serviços administrativos.
Torre do Tombo. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2013.
http://antt.dgarq.gov.pt/inicio/identificacao-institucional/historia/
wikipedia (Imagem)

sábado, 16 de março de 2019

Camilo Castelo Branco


16 de Março de 1825:

 Nasce Camilo Castelo Branco, 
em Lisboa, autor de  
Amor de Perdição e A Queda de Um Anjo


Novelista entre os anos 50 e 80 do século XIX e um dos grandes génios da Literatura Portuguesa, Camilo Ferreira Botelho Castelo Branco nasceu a 16 de março de 1825, em Lisboa, e suicidou-se a 1 de junho de 1890 em S. Miguel de Seide, Famalicão. Órfão de mãe aos dois anos e de pai aos nove, passou, a partir desta idade, a viver em Vila Real com uma tia paterna. Aos 16 anos, casou-se com Joaquina Pereira, em Friúme, Ribeira de Pena. Em 1844, instalou-se no Porto com o intuito de cursar Medicina, acabando por não passar do 2.º ano. Em 1845, estreou-se na poesia e no ano seguinte no teatro e também no jornalismo.

Viúvo desde 1847, fixou-se definitivamente no Porto a partir de 1848 (onde, em 1846, já estivera preso por ter raptado Patrícia Emília, um dos seus tumultuosos amores, de quem teria uma filha). De 1849 a 1851 consolidou a sua atividade jornalística, retomou o teatro, estreou-se no romance com Anátema (1851), conheceu a alta-roda portuense bem como os meios boémios e foi protagonista de aventuras romanescas.
Foi a partir de 1856 que atingiu a maturidade literária (no domínio dos processos de escrita) com o romance (por alguns autores considerado novela) Onde Está a Felicidade?. Foi ainda neste ano que iniciou o relacionamento amoroso com Ana Plácido, casada desde 1850 com Manuel Pinheiro Alves.
Por proposta de Alexandre Herculano, foi eleito sócio da Academia Real das Ciências de Lisboa em 1858 - ano em que nasceu Manuel Plácido, filho de Camilo e de Ana Plácido. Em 1860, Manuel Pinheiro Alves desencadeou o processo de adultério: em junho foi presa a mulher e a 1 de outubro Camilo entregou-se na cadeia da Relação do Porto. D. Pedro V visitou-o, em 1861, na cadeia, e a 16 de outubro desse ano os réus foram absolvidos.
Camilo foi o primeiro escritor profissional entre nós. Dotado de uma capacidade prodigiosa para efabular narrativas, conhecedor profundo do idioma, observador, ora complacente ora sarcástico, da sociedade (sobretudo da aristocracia decadente e da burguesia boçal e endinheirada), inclinado (por gosto, por temperamento e formação) para a intriga e análise passionais (muitas vezes atingindo o sublime da tragédia, como no Amor de Perdição), este genial autor romântico deixou-nos uma obra incontornável (apesar de irregular) na evolução da prosa literária portuguesa. De facto, foi na novela passional e no "romance de costumes" que Camilo se notabilizou, legando-nos uma série de personagens ainda hoje inesquecíveis, quadros e situações que valem pela espontaneidade narrativa, pelo ritmo avassalador da ação, pela sugestão realista e ainda pela novidade temática, como em A Queda dum Anjo. A sua versatilidade literária e criadora (aliada à necessidade de não perder o público com a progressiva influência de Eça e de Teixeira de Queirós) levaram-no a assimilar (depois de ter parodiado) a atitude estética e os processos de escrita do Realismo e do Naturalismo, visíveis nesse notável livro que é A Brasileira de Prazins e em certa medida já iniciados com Novelas do Minho.

A sua arte de narrar constituiu, a par da de Eça de Queirós, um modelo literário para muitos escritores, principalmente até meados do século XX.

As suas obras principais são: A Filha do Arcediago, 1855; Onde está a Felicidade?, 1856; Vingança, 1858; O Romance dum Homem Rico, 1861; Amor de Perdição, 1862; Memórias do Cárcere, 1862; O Bem e o Mal, 1863; Vinte Horas de Liteira, 1864; A Queda dum Anjo, 1865; O Retrato de Ricardina, 1868; A Mulher Fatal, 1870; O Regicida, 1874; Novelas do Minho, 1875-1877; Eusébio Macário, 1879; A Brasileira de Prazins, 1882.

Além destas obras em prosa narrativa, assinale-se ainda os outros géneros (ou domínios) pelos quais se repartiu o labor de Camilo: poesia, teatro (de que se devem destacar O Morgado de Fafe em Lisboa, 1861, e O Morgado de Fafe Amoroso, 1865), dezenas de traduções (do francês e do inglês), polémica, prefácios, biografia, história, crítica literária, jornalismo e epistolografia (compreendendo mais de duas mil cartas).

Camilo Castelo Branco. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2013.
wikipedia (Imagem)